Fórum Madalena

Interatividade com disciplinas
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe
 

 ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte
AutorMensagem
maickyson



Mensagens : 12
Data de inscrição : 27/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeTer Set 27, 2016 9:48 pm

Realmente rosivan foi um dos atos mais marcantes da guerra
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lucas Oliveira



Mensagens : 6
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: concordo com você, alice. Realmente Hilda mostrou bastante coragem e uma bela história de superação conseguindo reunir sua família novamente.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:43 am

Maria Alice Simplicio escreveu:
Maria Alice Simplicio 9° "B" N° 28
Hilda Kusserow nasceu e viveu em um lugar controlado pela Alemanha. Foi professora e pintora, e casou-se antes da primeira guerra com Franz Kusserow, tiveram 11 filhos e tornaram-se Testemunhas de Jeová. Então o lar da família Kusserow, tornou-se a sede de uma congregação daquela religião.
Entre 1933-39 os nazistas revistaram a casa da família muitas vezes pois eles continuavam firmes como Testemunhas de Jeová. Hilda foi detida e presa por 6 semanas por que continuou fazendo trabalho missionário, ele havia sido proibido. A polícia levou seus três filhos mais novos para reeducá-los em lares adotivos.
Dois de seus filhos foram mortos por se recusarem a servir no exército alemão. Hilda, seu marido, e suas duas filhas foram detidos por continuar com grupos de estudo a Bíblia. Quando a libertaram, falaram que ela podia ir para casa caso renunciasse sua fé. Quando ela recusou foi deportada para o campo de concentração, onde reencontrou duas de suas filhas que já estavam lá há um ano.
Durante uma marcha da morte saindo do campo de concentração, Hilda e suas duas filhas foram libertadas pelos soviéticos. Quando a Guerra terminou, elas retornaram ao seu lar.

Essa história, retrata a coragem e superação de uma mulher que perdeu parte da sua família, e voltou para sua casa após a Guerra.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Gabryel Argolo Acioly

Gabryel Argolo Acioly

Mensagens : 3
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Concordo, é uma história triste pois Dora além de perder sua adolescência, sofreu por ser judia.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:46 am

Lucas Oliveira escreveu:
Lucas Oliveira S.R.Barros, n:24- 9 ano B

Dora Rivkina era a segunda das três filhas de uma família de judeus em Minsk, capital da Bielorrússia. Antes da segunda guerra mundial a maior parte da população era judaica. Em 1941, os invasores alemães chegaram a Minsk e a família de Dora foi mandada para o gueto de sua cidade, porém 3 anos depois, o gueto foi evacuado, e Dora, com 19 anos, conseguiu fugir de um grupo aprisionado e se juntar aos anti-nazistas, mas os alemães rapidamente os capturaram, nesse momento eles logo perceberam a presença de judeus no grupo e para a infelicidade de Dora, uma companheira acabou apontando para ela. Os alemães acabaram amarrando as mãos de Dora, prenderam uma pedra em seu pescoço e jogaram em um rio, atirando em seu corpo em seguida.

Na minha opinião, os relatos são bastante interessantes e marcantes, mas da mesma forma são tristes, como o de Dora, que perdeu parte de sua adolescência e não teve à oportunidade de construir uma família por causa da guerra.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
lucas leite da costa



Mensagens : 7
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Lucas Leite, concordo pois Liliana sofreu por querer conquistar lugares na justiça, mas sua religiosidade impedia isso , por ser judia.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:47 am

Maria Alice Simplicio escreveu:
Iris Maria escreveu:
Iris Maria Bandeira Barreto (Nº 17)
O holocausto foi a perseguição e o extermínio de judeus e outros povos pelos nazistas, por acreditarem que os alemães eram "racialmente superiores". Liliana Guzenfiter, nascida em 16 de junho de 1924 na Polônia, foi vítima desse sistema. Seu sonho era ir para Paris e estudar na Sorbonne, pois queria cursar direito e ser a segunda mulher polonesa com o cargo de promotora de justiça. Liliana chegou a ser agredida e chamada de judia imunda na escola onde estudava, teve sua família morta e sobreviveu trabalhando como escrava nos campos de Majdanek e Skarzysko-Kamienna, até ser libertada em Czestochowa, em 18 de janeiro de 1945. Em 1950 ela emigrou para os Estados Unidos. Na Segunda Guerra Mundial, existiram mais de 5 mil campos de concentração espalhados pela Europa. Juntos, eles foram responsáveis pela morte de 6 milhões de pessoas. O holocausto deixou terríveis marcas em todo o mundo. Inocentes foram mortos, mães sem seus filhos, crianças órfãs, famílias foram destruídas, e no caso de Liliana, ela não pôde realizar seu sonho por conta dessa barbárie que até hoje choca a todos - e continua inexplicável.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
lucas leite da costa



Mensagens : 7
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Concordo, pois por sua religião era perseguido.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:53 am

Gabryel Argolo Acioly escreveu:
Gabryel Argolo Acioly-15

*TOMAS KULKA: Tomas era judeu, filho de Robert kulka, após a morte de seu avô a familia kulka se mudou para brno.
   poucas semanas antes do seu quinto aniversário, os alemães ocuparam Boêmia e a Morávia, inclusive brno.
   Tomas e sua família foram despejados de casa, e ele, por ser judeu, foi proibido de ingressar na escola.
   Em 9 de maio de 1942, Tomas foi deportado para o campo de extermínio de sobibor onde foi envenenado com gás com apenas 7 anos de idade.

No meu ponto de vista, a família de Tomas foi batalhadora pois eram perseguidos por ser judeus, pelos alemães e também grande sofredora, pois seus entes foram assassinados.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
ciro matheus

ciro matheus

Mensagens : 2
Data de inscrição : 28/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 11:42 am

CIRO - li sobre a história de Gabriele,uma menina jovem de apenas cinco anos que vivia na Alemanha, em Berlim. Seu avô era dono de uma farmácia e de uma indústria de farmacêuticos,em que seu pai também trabalhava lá. Anos depois a Alemanha invadiu a Holanda obrigando a família dela ser levada a um campo de concentração no leste da Holanda, chamado Westerbork. Naquele campo, enquanto os pais dela trabalhavam [como escravos] durante o dia, ela aprendeu a roubar para trocar o que conseguia por comida.Em maio de 1945, Gabriele, então com doze anos, e seus pais foram libertados de Theresienstadt. Em junho daquele mesmo ano, a família retornou a Amsterdã e ali voltou a viver.
Sobre esta historia de Gabriele, achei muito emocionante pois ela passou por muitos problemas e no final conseguiu retomar a sua vida normal. O período em que a mesma viveu presa no campo de concentração abalou muito, deixando-a amargurada, mas a superação fez torna-la forte.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Iris Maria



Mensagens : 6
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 4:41 pm

Iris Maria Bandeira Barreto (Nº 17): Não foi só escolha de Gertrud Teppich, como mostrado na história da Maria Cecília, mas sim de muitas pessoas que preferiram a morte que ser submetida à torturas inimagináveis nos campos de concentração. Em minha opinião, a opção feita por Gertrud é aceitável, ele preferiu perder a vida, do que sofrê-la por um longo período.

Maria Cecília Torres, Nº 29, 9º "B"
Gertrud Teppich nasceu em Berlim em uma família judia. Com um pouco mais de vinte anos, casou-se e teve duas filhas. Em 1931 ficou viúva e cinco anos após os nazistas assumirem o poder, sua filha mais velha, Ilse, fugiu para Amsterdã e no ano seguinte a mais nova foi para a Suiça a trabalho, porém permaneceu por lá e Gertrud ficou sozinha em seu apartamento em Berlim.
Durante o período da Guerra, foram estabelecidas leis nazistas que obrigavam os judeus a vender seus imóveis e utensílios domésticos a alemães arianos e a renda obtida seria revertida ao governo nazista. Sua cunhada era alemã ariana e a ajudaria comprando sua mobília, pois assim Gertrud pôde reter seus pertences.
Em 1942, ela recebeu um aviso dizendo que seria deportada em breve e acabou se suicidando, pois preferia morrer a ser deportada para os campos de concentração.
Essa história mostra que as pessoas preferiam morrer do que serem levadas para os campos de concentração pois lá elas seriam maltratadas.




Última edição por Iris Maria em Qua Set 28, 2016 4:59 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Iris Maria



Mensagens : 6
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 4:59 pm

Iris Maria Bandeira Barreto (Nº 17): Durante a Segunda Guerra Mundial, era muito difícil o povo judeu praticar sua religião, eles eram obrigados a levar uma vida isolada. Muitas pessoas, além de serem enviadas a campos de concentração, tiveram membros de sua família mortos, simplesmente por estarem cultuando sua fé. A história de Hilda Kusserow, contada por Maria Alice, em minha opinião teve um final da melhor maneira possível: apesar de ter sofrido, ela conseguiu voltar para seu lar, chance que muitos não tiveram.


Maria Alice Simplicio 9° "B" N° 28
Hilda Kusserow nasceu e viveu em um lugar controlado pela Alemanha. Foi professora e pintora, e casou-se antes da primeira guerra com Franz Kusserow, tiveram 11 filhos e tornaram-se Testemunhas de Jeová. Então o lar da família Kusserow, tornou-se a sede de uma congregação daquela religião.
Entre 1933-39 os nazistas revistaram a casa da família muitas vezes pois eles continuavam firmes como Testemunhas de Jeová. Hilda foi detida e presa por 6 semanas por que continuou fazendo trabalho missionário, ele havia sido proibido. A polícia levou seus três filhos mais novos para reeducá-los em lares adotivos.
Dois de seus filhos foram mortos por se recusarem a servir no exército alemão. Hilda, seu marido, e suas duas filhas foram detidos por continuar com grupos de estudo a Bíblia. Quando a libertaram, falaram que ela podia ir para casa caso renunciasse sua fé. Quando ela recusou foi deportada para o campo de concentração, onde reencontrou duas de suas filhas que já estavam lá há um ano.
Durante uma marcha da morte saindo do campo de concentração, Hilda e suas duas filhas foram libertadas pelos soviéticos. Quando a Guerra terminou, elas retornaram ao seu lar.
Essa história, retrata a coragem e superação de uma mulher que perdeu parte da sua família, e voltou para sua casa após a Guerra.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Cecília



Mensagens : 6
Data de inscrição : 24/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Concordo com Lucas, pois Dora tinha uma vida inteira pela frente e a perdeu por conta da Guerra.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 5:19 pm

Lucas Oliveira escreveu:
Lucas Oliveira S.R.Barros, n:24- 9 ano B

Dora Rivkina era a segunda das três filhas de uma família de judeus em Minsk, capital da Bielorrússia. Antes da segunda guerra mundial a maior parte da população era judaica. Em 1941, os invasores alemães chegaram a Minsk e a família de Dora foi mandada para o gueto de sua cidade, porém 3 anos depois, o gueto foi evacuado, e Dora, com 19 anos, conseguiu fugir de um grupo aprisionado e se juntar aos anti-nazistas, mas os alemães rapidamente os capturaram, nesse momento eles logo perceberam a presença de judeus no grupo e para a infelicidade de Dora, uma companheira acabou apontando para ela. Os alemães acabaram amarrando as mãos de Dora, prenderam uma pedra em seu pescoço e jogaram em um rio, atirando em seu corpo em seguida.

Na minha opinião, os relatos são bastante interessantes e marcantes, mas da mesma forma são tristes, como o de Dora, que perdeu parte de sua adolescência e não teve à oportunidade de construir uma família por causa da guerra.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Iris Maria



Mensagens : 6
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 5:21 pm

Iris Maria Bandeira Barreto (Nº 17): Durante o holocausto, mais de um milhão de crianças e adolescentes judias foram exterminadas, uma geração inteira assassinada. As crianças eram exclusivamente vulneráveis durante a época, Zalie achara que estava segura na França, mas conseguiu resistir ao ser enviada para o campo de concentração, contudo, em minha opinião o que era mais difícil: ela teve de passar por tudo isso sem o apoio de sua família.

Allan Tenório,Nº4 9Ano B
Zalie era a segunda das três filhas de um casal de imigrantes judeus, em seu ensino fundamental ela apreendeu história sobre Hitler, porém ela falava que não tinha medo dele . Sua família, seu pai, sua mãe contava muitas coisas que aconteciam com os judeus na Alemanha não aconteceriam com a gente na França.
Em 1942, o pai de Zalie foi deportado juntamente com outros judeus nascidos na Polônia, em seguida sua mãe também foi deportada. Depois disso, Zalie  fugiu de Paris com documentos falsos que escondiam sua identidade. Após isso com seus 16 anos ela se torneo Zalie Guerin, com seus 16 anos. Ela se passou por Francesa por muitos anos, até então se descoberta e ser presa. 
Zalie, aos 17 anos, foi deportada para Auschwitz em um comboio de crianças, no dia 31 de julho de 1944. e ela sobreviveu aos campos de concentração e voltou a morar em Paris depois da Guerra.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Eduarda Sampaio



Mensagens : 7
Data de inscrição : 27/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:17 pm

Maria Alice Simplicio escreveu:
Maria Alice Simplicio 9° "B" N° 28
Hilda Kusserow nasceu e viveu em um lugar controlado pela Alemanha. Foi professora e pintora, e casou-se antes da primeira guerra com Franz Kusserow, tiveram 11 filhos e tornaram-se Testemunhas de Jeová. Então o lar da família Kusserow, tornou-se a sede de uma congregação daquela religião.
Entre 1933-39 os nazistas revistaram a casa da família muitas vezes pois eles continuavam firmes como Testemunhas de Jeová. Hilda foi detida e presa por 6 semanas por que continuou fazendo trabalho missionário, ele havia sido proibido. A polícia levou seus três filhos mais novos para reeducá-los em lares adotivos.
Dois de seus filhos foram mortos por se recusarem a servir no exército alemão. Hilda, seu marido, e suas duas filhas foram detidos por continuar com grupos de estudo a Bíblia. Quando a libertaram, falaram que ela podia ir para casa caso renunciasse sua fé. Quando ela recusou foi deportada para o campo de concentração, onde reencontrou duas de suas filhas que já estavam lá há um ano.
Durante uma marcha da morte saindo do campo de concentração, Hilda e suas duas filhas foram libertadas pelos soviéticos. Quando a Guerra terminou, elas retornaram ao seu lar.

Essa história, retrata a coragem e superação de uma mulher que perdeu parte da sua família, e voltou para sua casa após a Guerra.

Concordo com a Maria Alice Simplício, pois é triste ver, que não só apenas a família Hilda Kusserow, mas muitas famílias durante o Holocausto acabaram se separando, e perdendo boa parte de sua vida, tendo que ser submetidas a diversas formas de violência, torturas e mortes, e no final ter que superar a perda de cada um dos familiares, que acabaram perdendo em meio ao ocorrido.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Eduarda Sampaio



Mensagens : 7
Data de inscrição : 27/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:38 pm

Maria Cecília escreveu:
Maria Cecília Torres, Nº 29, 9º "B"

Gertrud Teppich nasceu em Berlim em uma família judia. Com um pouco mais de vinte anos, casou-se e teve duas filhas. Em 1931 ficou viúva e cinco anos após os nazistas assumirem o poder, sua filha mais velha, Ilse, fugiu para Amsterdã e no ano seguinte a mais nova foi para a Suiça a trabalho, porém permaneceu por lá e Gertrud ficou sozinha em seu apartamento em Berlim.
Durante o período da Guerra, foram estabelecidas leis nazistas que obrigavam os judeus a vender seus imóveis e utensílios domésticos a alemães arianos e a renda obtida seria revertida ao governo nazista. Sua cunhada era alemã ariana e a ajudaria comprando sua mobília, pois assim Gertrud pôde reter seus pertences.
Em 1942, ela recebeu um aviso dizendo que seria deportada em breve e acabou se suicidando, pois preferia morrer a ser deportada para os campos de concentração.

Essa história mostra que as pessoas preferiam morrer do que serem levadas para os campos de concentração pois lá elas seriam maltratadas.

Os campos de concentração de Auschwitz, se dividiam em 3, onde em um ocorria o trabalho forçado, no outro era feito o extermínio e no terceiro as pessoas eram escravizadas. Então a atitude de
Gertrud Teppich, foi na minha opinião aceitável, pelo fato dela preferir se suicidar, do que ter que conviver em um meio onde a violência era constante, os maus tratos, e as torturas, então se ela tivesse sorte teria que ser submetida a meses ou ate anos nessas condições, se não acabaria morrendo de uma forma bem mais agressiva.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Eduarda Sampaio



Mensagens : 7
Data de inscrição : 27/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 8:59 pm

Lucas Oliveira escreveu:
Lucas Oliveira S.R.Barros, n:24- 9 ano B

Dora Rivkina era a segunda das três filhas de uma família de judeus em Minsk, capital da Bielorrússia. Antes da segunda guerra mundial a maior parte da população era judaica. Em 1941, os invasores alemães chegaram a Minsk e a família de Dora foi mandada para o gueto de sua cidade, porém 3 anos depois, o gueto foi evacuado, e Dora, com 19 anos, conseguiu fugir de um grupo aprisionado e se juntar aos anti-nazistas, mas os alemães rapidamente os capturaram, nesse momento eles logo perceberam a presença de judeus no grupo e para a infelicidade de Dora, uma companheira acabou apontando para ela. Os alemães acabaram amarrando as mãos de Dora, prenderam uma pedra em seu pescoço e jogaram em um rio, atirando em seu corpo em seguida.

Na minha opinião, os relatos são bastante interessantes e marcantes, mas da mesma forma são tristes, como o de Dora, que perdeu parte de sua adolescência e não teve à oportunidade de construir uma família por causa da guerra.


Concordo com Lucas Oliveira, pois é triste ver que não só apenas Dora Rivkina, mais como muitas outras crianças e adolescentes acabaram perdendo toda sua infância, e o direito de se desenvolver, de brincar, de aprender,pelos ocorridos que a guerra acabava levando.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Eduarda Sampaio



Mensagens : 7
Data de inscrição : 27/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 9:11 pm

JuliaAbreu escreveu:
Julia Abreu Figueiredo Barbosa Bernardo- 19

Inge Scheer,nasceu em 11 de Janeiro de 1930, sua família era composta por seus pais,ela e sua irmã, eles viviam em Viena(Áustria) e eram judeus. Quando os alemães atacaram a Áustria Inge e sua família tiveram que se mudar para a Bélgica, lá ela e sua família tiveram que mudar todo o seu modo de vida inclusive ela teve que ingressar em uma escola católica, alem de ter mudado seu nome para Irene ele teve que fazer teatro para se distrair daquele período de guerra, com isso ela se tornou famosa ate que sua irmã foi sequestrada (no período em que os alemães invadiram a Bélgica). Então ela e sua família tiveram que procurar sua irmã e descobriram que ela estava morta, então eles perceberam que continuar na Bélgica era um perigo, ate que a guerra teve fim e ela junto com a sua família se mudaram para a Argentina e em 1949 imigraram para os Estados Unidos.

Em minha opinião a atitude da família em relação a situação que estavam passando foi adequada, porque se eles continuassem lá eles poderiam correr o risco de serem mortos ou colocados em um campo de concentração, onde seriam mortos do mesmo jeito.

Concordo com a Julia Abreu, pois num momento como aqueles, essa foi a unica solução encontrada pela família de Inge Scheer, para não serem levados pros campos de concentração, e terminarem morrendo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Gabriel Lira



Mensagens : 5
Data de inscrição : 23/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 10:47 pm

Concordo com a Laís Carolina.

Porque, WOLFGANG KUSSEROW foi um dos que foram mortos por manter-se fiel a Deus e recusar-se a apoiar o nazismo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Gabriel Lira



Mensagens : 5
Data de inscrição : 23/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 10:54 pm

Concordo com o Gabryel Argolo Acioly,

Porque judeus, como TOMAS KULKA, tiveram um vida uma vida difícil e sofrida durante o holocausto.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Gabriel Lira



Mensagens : 5
Data de inscrição : 23/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQua Set 28, 2016 11:08 pm

Concordo com a Maria Cecília,

Achei muito marcante a história do rapaz Gertrud Teppich , já que ele teve um pensamento relativamente bom, já que ele iria morrer,preferiu perder a vida antes de chegar no campo de concentração sendo que o seu destino iria ser o mesmo, agora bem mais doloroso e prolongado.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Cecília



Mensagens : 6
Data de inscrição : 24/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Concordo com Eduarda, essa é realmente uma história de superação.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeSab Out 01, 2016 5:31 pm

Maria Eduarda Sampaio escreveu:
Maria Eduarda Sampaio N:31 MARIA SAVA MOISE
O Holocausto foi a perseguição e o extermínio que foi organizado e patrocinado pelo governo nazista, de aproximadamente seis milhões de judeus pela Alemanha e seus então colaboradores.

Maria vivia na capital de moldávia. Ela era uma dos quatro filhos de um casal de ciganos. Seu pai conseguia o sustento como cantor e trabalhador braçal. Os pais de Maria não tinham condições financeiras, e por isso ela não frequentava escola. Para ajudar na renda familiar, ela e os irmãos mais velhos trabalharam por longas horas, que iria das cinco da manha ate a noite. Sua adolescência foi marcada por um período de tensão e de guerra, onde ela, e todos os ciganos foram aprisionados pelos policiais romenos para região do leste. Eles ficaram aprisionados em uma fazenda, sem comida, e em campo aberto. E foi por este motivo que sua irmã acabou morrendo. Sua família teve sorte, seu marido conseguiu fugir e seu pai no mesmo ano conseguiu levar todos de voltar para Romênia. Apos a guerra ela se reencontrou com o marido.

Essa é uma historia de superação, pois mesmo depois de ter perdido a irma, e ter participado desse momento tenso, Maria e sua família conseguiram voltar para Romênia e se reencontrar com o marido.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Cecília



Mensagens : 6
Data de inscrição : 24/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Concordo com Lucas, Yves foi muito corajoso em permanecer na Guerra para lutar contra seu inimigo.   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeSab Out 01, 2016 5:35 pm

lucas leite da costa escreveu:
Lucas Leite da Costa,nº23 9ºB
  YVES OPPERT, nasceu na França e aos 7 anos perdeu sua mãe, assim crescendo na casa de seu avô. Durante o crescimento de Yves, veio tornando-se um grande homem em negócios e era dono de lojas de departamentos. Era um ávido alpinista e gostava muito de esportes, que cumpriu o serviço militar na Corporação Alpina Francesa.
  Em 1934, Yves casou-se com Paulette Weill, e tiveram duas filhas, uma chamava-se Nadine e a outra era Francelyn. Em 1938, foi convocado ao exercito  Francês e serviu por cinco meses como tenente, pois a guerra estava prestes a acontecer devido a crise da Tchecoslováquia. Yves também foi convocado à guerra contra a Alemanha em setembro de 1939 na 2º guerra mundial. Mas ele foi capturado pela Alemanha em seu próprio território, mas depois de um tempo conseguiu escapar e permaneceu para lutar contra o inimigo.
  Com o seu estoque, Yves distribuiu comida, cobertores, barracas, e roupas para a Resistência Francesa Livre. Ajudou crianças judias a serem escondidas pois a Alemanha estabelecia uma ordem de antissemitista que era o ódio ao judeu em conventos e fazendas. Yves coordenou  a resistência em Savoy, mas foi capturado na chegada dos aliados à França pela Alemanha. Foi torturado e assassinado  em Etercy, no dia 24 de Junho de 1944, aos 35 anos de idade. Contudo, Yves foi presenteado com a Medalha Militar, com a Legião de Honra, e com a Cruz de Guerra da França.
  No entando, achei que Yves foi exemplo de militar corajoso que empunhava tudo, que lutou e sofreu durante a guerra. Ele ganhou merecidamente a Medalha Militar, pelo seu querer de lutar na guerra.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Maria Fernanda Barbosa



Mensagens : 4
Data de inscrição : 26/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeQui Out 06, 2016 6:07 pm

Comentários de Maria Fernanda Barbosa

Maria Fernanda Pimentel
Concordo plenamente com você o relato de Anne Frank é realmente surpreendente é assustador, mostra o lado mais sombrio da segunda guerra

Julia Abreu
Concordo que a atitude da família foi compreensível tendo em vista do risco de vida que corriam, e muito dormi o para eles a capacidade de uma segunda chance

Alice Maria

Essa é mesmo uma história muito inacreditável afinal foram poucos os casos de misericórdia no holocausto, foi de muita sorte a sobrevivência da garota
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
JuliaAbreu

JuliaAbreu

Mensagens : 9
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeTer Out 18, 2016 6:15 am

Concordo com a atitude de Gertrud Teppich. Ela já sabia que iria morrer só que ela preferia morrer por ela mesma do que nos campos de concentração. Essa atitude é para poucos e essa senhora teve essa coragem durante esse período.


Última edição por JuliaAbreu em Ter Out 18, 2016 2:32 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
JuliaAbreu

JuliaAbreu

Mensagens : 9
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeTer Out 18, 2016 6:18 am

Concordo com a opinião de Ana Clara e também concordo com a atitude de Johanna Hirsch, que continuou sua vida mesmo tendo passado por todo esses problemas com o anti-semitismo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
JuliaAbreu

JuliaAbreu

Mensagens : 9
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeTer Out 18, 2016 2:35 pm

Concordo com a opinião de Maria Alice. Hilda teve uma coragem inacreditável, no qual, muitos Judeus não tiveram essa coragem toda.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Leticia Damasceno Leite

Leticia Damasceno Leite

Mensagens : 5
Data de inscrição : 20/09/2016
Idade : 17

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeTer Out 18, 2016 9:42 pm

JuliaAbreu escreveu:
Julia Abreu Figueiredo Barbosa Bernardo- 19

Inge Scheer,nasceu em 11 de Janeiro de 1930, sua família era composta por seus pais,ela e sua irmã, eles viviam em Viena(Áustria) e eram judeus. Quando os alemães atacaram a Áustria Inge e sua família tiveram que se mudar para a Bélgica, lá ela e sua família tiveram que mudar todo o seu modo de vida inclusive ela teve que ingressar em uma escola católica, alem de ter mudado seu nome para Irene ele teve que fazer teatro para se distrair daquele período de guerra, com isso ela se tornou famosa ate que sua irmã foi sequestrada (no período em que os alemães invadiram a Bélgica). Então ela e sua família tiveram que procurar sua irmã e descobriram que ela estava morta, então eles perceberam que continuar na Bélgica era um perigo, ate que a guerra teve fim e ela junto com a sua família se mudaram para a Argentina e em 1949 imigraram para os Estados Unidos.

Em minha opinião a atitude da família em relação a situação que estavam passando foi adequada, porque se eles continuassem lá eles poderiam correr o risco de serem mortos ou colocados em um campo de concentração, onde seriam mortos do mesmo jeito.



Concordo com você Ju, como diz aquele ditado "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come", não foi diferente, se eles permanecessem na Áustria provavelmente iam ser torturados ou mortos, tendo como unica escolha se mudar para outro país, no momento em que chegaram na Bélgica, o país foi invadido por soldados nazistas, que tinham como objetivo anular os judeus. Sem escolha, tiveram que ir para Argentina, como uma maneira de se salvar novamente da morte, imigrando pouco tempo depois para os Estados Unidos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lucas Oliveira



Mensagens : 6
Data de inscrição : 20/09/2016

ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitimeSex Out 21, 2016 12:21 am

Concordo com Maria Alice, porque essa história foi realmente de superação e que fala de uma mulher "guerreira".
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO   ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO - Página 3 Icon_minitime

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
ATIVIDADE 1 - HOLOCAUSTRO
Voltar ao Topo 
Página 3 de 4Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Fórum Madalena :: 9 ANOS :: 9 ano B :: HISTÓRIA-
Ir para: